Sobre o Pecado - II

Considera pecador, que pecar é dar as costas para Deus e o rosto para as criaturas. É estimar as criaturas acima de Deus Criador. É desprezar tudo o que significa a vontade de Deus. Pecado é uma monstruosidade, algo descomunal, horrível, abominável, detestável.

O pecado grave deturpa e afeia a alma aos olhos de Deus Santíssimo, a ponto de não existir no mundo nada mais detestável!

Ao longo da história, pessoas santas sentiam repugnância perante algum pecador. SANTA CATARINA DE SENA viu o Anjo tapar o nariz, no momento em que ela passava ao lado de alguém manchado de pecados desonestos. SANTA FRANCISCA ROMANA, quando perto de alguém réu de pecado mortal, sentia mau cheiro tão forte que quase não aguentava suportar. SÃO FELIPE NÉRI também conhecia pelo mau cheiro as pessoas que andavam em pecado e dizia: “o pecado cheira tão mal que é impossível no mundo cheiro mais repugnante.” SANTA CATARINA DE SENA em certa ocasião esteve a ponto de vomitar as entranhas, devido ao mau cheiro exalado por uma mulher que chegou perto dela, aliás, muito asseada e enfeitada, mas em estado de pecado mortal.

Assim como em Deus tudo é bom e belo, no pecado tudo é feio e ruim. Não existe absolutamente nada de bom no pecado.

Portanto, é fácil entender que o pecado é o pior mal do mundo. Pior do que o desespero dos que iam sendo engolidos pelo dilúvio. Pior que os sofrimentos do paciente Jó. Pior que a peste que grassou no tempo de David. Pior que todas as doenças e penas e fomes e pestes e guerras.

Agora que entendes isto, oh criatura, não te aborrecem os pecados? Não te animas a mudar de vida? Oh, cegueira total, ou total falta de fé!

Deus é o sumo bem e a suma beleza. A maldade e a feiúra do pecado são tamanhas, que morreria de vergonha e tristeza o pecador que as visse perfeitamente...

Que grave injúria, que maior ofensa, que horrível monstruosidade, especialmente tendo-se em conta as circunstâncias que o acompanham: uma vil criatura rebelada contra o seu Criador. Roubando de Deus a coroa e pondo-a sobre si. Pisando e açoitando e crucificando o Filho de Deus. E tudo isto, na presença e à vista de Deus, dentro do palácio de Deus, que é este mundo universo.

Oh crime, o mais horroroso! Criatura totalmente dependente do Criador, puxar da espada contra o Rei dos reis e da terra, para atingir o próprio Filho de Deus, dentro do palácio de Deus, sob o olhar de Deus, amparado nos braços de Deus bondoso e onipotente! É semelhante ao filho ingrato que, nos braços carinhosos da mãe, se revolta contra ela e a maltrata e a mata!

Com que instrumentos o pecador ofende a Deus? - Com instrumentos que recebeu diretamente de Deus: a memória, o entendimento, a vontade, os pés, as mãos, os olhos, a língua... Desses presentes e benefícios o pecador se vale para ofender ao Doador de todos os bens.

Por que finalidade ele ofende a Deus? – Por um vil e mesquinho gosto, um prazer caduco e momentâneo, ilusório interesse, mera insensatez, imprudente atrevimento.

De que modo o pecador ofende a Deus? – Por declarado descaso de tudo o que representa a divina vontade. Desobediência frontal a Deus, sabendo a que grandes castigos se expõem e que se encaminha a uma pena eterna no outro mundo, castigo de fogo devorador. O pecador reconhece que seu pecado causou a morte do Filho de Deus, mas não faz caso disto. Sabe que está desagradando a Deus e satisfazendo a Lúcifer e seus partidários. Conhece perfeitamente que vai perdendo todos os merecimentos de todas as boas obras praticadas na vida, perdendo o Céu, perdendo tudo... E ainda se vangloria de seus pecados!

Oh! Quanto este modo de viver ofende a Deus, que nos deixou seus santos Sacramentos, inumeráveis favores e benefícios e nos entregou seu Unigênito Filho para ser cravado numa Cruz, devido aos nossos pecados!

Existe pior cegueira neste mundo?

Santo Agostinho pensa que um só inferno não é bastante para castigar quem peca depois da Redenção, e que seria preciso criar novo inferno.

Contra quem peca o pecador? – Contra Deus que o criou, o ama, perdoa e trata com amor e carinho; um Senhor infinitamente bom, santo e amável. Uma fera não maltrata quem lhe faz bem. Um animal bruto não se insurge contra seu benfeitor... Oh pecador, não sejas tu pior que as feras nem menos agradecido que os brutos.

Conhece a Deus, que te criou para servi-lo e amá-lo. Deixa o pecado, que te faz inimigo de Deus e ingrato aos seus benefícios. Considera que basta um só pecado mortal para te perderes. Que podes esperar de Deus, se continuas a pecar? Podes, isto sim, esperar pelo inferno; o inferno será a última recompensa que te há de dar Satanás.

Desengana-te. Se continuas no pecado, infalivelmente acabarás sendo um condenado ao fogo eterno. Porque é diretamente culpado da morte de Jesus, Deus Pai não te suportará por mais tempo. Ele te deixará, te desamparará, porque és um ingrato e ages como fera. És até indigno de entrar nos templos sagrados. Reconhece, pois, as tuas grandes misérias e ingratidões e converte-te para Deus. Quem mais há de te valer? Quem roga por ti? – Maria Santíssima. Recorre a ela.